12 de Fevereiro - Dia da Imigração Coreana

12 de Fevereiro - Dia da Imigração Coreana

Hoje, a exatos 56 anos da imigração, os coreanos radicados e instalados no Bairro do Bom Retiro, contrinbuem para o crescimento e desenvolvimento de nossa cidade.
Em reconhecimento a toda esta contribuição, vereador Toninho Paiva , através da lei nº 15.110/10, de sua autoria, instituiu o bairro o Bom Retiro como o Pólo Cultural das Tradições Coreanas na Cidade de São Paulo.

Conheça essa história: 

A partir dos anos 60, com a chegada dos coreanos, o bairro do Bom Retiro abrigou uma grande leva de imigrantes que para lá se dirigiram para trabalhar (a maioria como costureiros em oficinas) e abrir seus negócios. Cada família buscava ampliar o pequeno capital de que dispunha inicialmente, no menor prazo possível.

O engajamento da família no trabalho e a capacidade de articular redes internas à colônia para facilitar a inserção na nova pátria, foram mecanismos fundamentais para a rápida mobilidade sócio-econômica dos coreanos em São Paulo.

As lojas de boa parte de comerciantes coreanos foram compradas de imigrantes judeus, que até o início dos anos 70 dominaram o comércio do Bom Retiro. A partir daí, as lojas das confecções coreanas voltadas para a moda feminina mais sofisticada, ali se fixaram, fazendo com que a comunidade mudasse também para esse local, a sua residência.

Com a instalação das lojas e fábricas e as ofertas de artigos altamente competitivos, o Bom Retiro passou a atrair cada vez mais, comerciantes e consumidores que o transformaram numa referência no segmento comercial de vestuário.

A vida comunitária associada com as atividades religiosas, industriais e comerciais resultou na criação de várias associações coreanas de cunho religioso, cultural, esportivo ou representativo.

Um exemplo é a Escola Polilogos, no Bom Retiro, construída com recursos da comunidade e do governo coreano, aberta a brasileiros e coreanos, que oferece o ensino fundamental nos dois idiomas.

Outro exemplo é o Conseg (Conselho Comunitário de Segurança) do Bom Retiro ser presidido por um coreano naturalizado brasileiro.

Enfim, nem só de confecções e restaurantes vive a comunidade coreana. Outros serviços e estabelecimentos também se localizam no Bom Retiro, a saber:

  • Associação Coreana de Educação;
  • Associação Esportiva Brasil-Coréia;
  • Associação Coreana de Golf do Brasil;
  • Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Coréia;
  • Conselho Consultivo Nacional da Unificação da República da Coréia;
  • Jornal Cristão da América Latina, Jornal Joong-Ang, Bom Dia News, Jornal Evangélico da América Latina, Jornal Cho Sun Brasil;
  • Televisão TV Coréia;
  • Escola de Coreano – Paróquia de São Pedro, Escola de Coreano Nova Esperança;
  • Hospital do Bom Retiro
  • Academia de dança coreana HWang-Yoon-Jane;
  • Além de restaurantes, mercearias, livrarias, entre outros.

De modo geral, as famílias coreanas não deixam de frequentar alguma igreja, protestante ou católica. Muito mais que simplesmente oferecer serviços religiosos, as igrejas constituem o local por excelência, de contato para diversas experiências: funcionam tanto como estrutura de recepção para recém-chegados quanto como ponto de agregação para os já estabelecidos.

Fonte: Assessoria de Imprensa
(12/02/2019)
Compartilhe: FaceBook Twitter